Família/Escola: Parceria Vital

Família/Escola: Parceria Vital

Por Mariana Torres – Orientadora Educacional – Unidade Parque Prado

Acredito que a família seja a primeira escola que a criança tem acesso, na qual ela aprenda os conceitos básicos para iniciar sua vida na sociedade. Assim sendo, não podemos pensar em educação sem o envolvimento da família.

No decorrer da história, muitas mudanças foram marcando a educação e com a chegada da modernidade e transformações sociais chegamos a um modelo familiar que oferece amor incondicional, um refúgio do mundo considerado estranho, competitivo e ameaçador.

Vivemos uma cultura emocional, sentimental baseada na superproteção, na qual a recompensa vem sem o devido merecimento, a permissão é dada sem critérios e defende-se sem a preocupação de considerar os fatos.

É importante que os valores da família venham ao encontro aos da escola para que as crianças percebam e aprendam com as atitudes e modelos convergentes entre as duas instituições.

A escola entra como parceira na responsabilidade de educar, pois temos o compromisso de oferecer parâmetros para os alunos crescerem como seres humanos capazes de tomarem decisões e de agirem como protagonistas de sua própria história, oferecendo uma educação contínua e permanente.

Em uma parceria um sujeito sempre espera algo do outro. E para que isto de fato ocorra é preciso construir uma relação de diálogo, onde cada parte envolvida tenha o seu momento de fala, onde exista uma efetiva troca de saberes.

Educar não é tarefa fácil, nem para a família e nem para a escola. Ambas têm funções importantes na educação das crianças e precisam dialogar para que cada uma cumpra o seu papel e auxilie a outra.

A escola precisa considerar toda a bagagem de vida trazida pelos alunos, buscando sempre práticas pedagógicas que deem prazer, fazendo com que esses alunos sintam vontade de ir para a escola, de viver aquele momento novamente, pelo prazer promovido no ambiente.

Todos os processos educativos necessitam de uma participação ativa dos pais, para que as crianças sejam estimuladas e consigam atingir o desenvolvimento apropriado para cada faixa etária.

Percebemos que as práticas de educar e cuidar são indissociáveis, que se complementam, portanto a união das duas instituições sociais mais importantes no processo educativo pode ser o melhor caminho para que a criança atinja o ápice de seu desenvolvimento.

Sendo assim, escola e família devem estabelecer relações de colaboração, em que a família possa agir como potencializadora do trabalho realizado pela escola, de forma a incentivar, acompanhar e auxiliar a criança em seu desenvolvimento, ao mesmo tempo em que a escola realize uma prática pedagógica que contribua na formação do ser, e que valorize a participação ativa dos pais no processo educativo, contribuindo assim, para a construção de uma sociedade transformada.